Ciúme patológico masculino: reflexões sob a ótica junguiana

AUTOR(ES)
DATA DE PUBLICAÇÃO

2008

RESUMO

Os objetivos deste estudo são: compreender como o ciúme patológico masculino se expressa na cultura patriarcal e entender os aspectos psicológicos envolvidos na dinâmica do ciúme patológico, especialmente os complexos. O resultado do levantamento bibliográfico mostrou que existem muitos trabalhos que associam o ciúme masculino à violência contra a mulher, especialmente no contexto doméstico. Foram pesquisadas definições de ciúme formuladas por autores importantes como Adler (1967), Alberoni (1988), Freud (1976), Klein e Riviere (1975) e do DSM-IV - manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (1995). Livros e artigos de autores junguianos e neo-junguianos foram pesquisados, tendo sido encontrada uma única definição de ciúme nesta abordagem teórica, conceituada por Carlos Byington (2006), criador da chamada Psicologia Simbólica. Foi encontrado um artigo científico junguiano sobre ciúme patológico masculino, de Grinberg (2000). Na última etapa do levantamento bibliográfico, o termo ciúme foi pesquisado nas obras completas de Carl Gustav Jung. Para ilustrar o ciúme patológico masculino, foram selecionados e assistidos alguns filmes, tendo sido escolhido o que melhor representa esta patologia no gênero masculino - Ciúme, o inferno do amor possessivo (1994) - de Claude Chabrol. A ilustração foi analisada com base na abordagem da Psicologia Analítica, assim como nas informações que contextualizam a cultura patriarcal. Conclui-se que as características e emoções mais comumente associadas ao ciúme patológico masculino são: poder e posse, desejo de domínio sobre o ser amado, amor e rivalidade amorosa, medo da perda, desejo de exclusividade amorosa e sentimentos de inferioridade. A não superação do complexo de Édipo enquanto estrutura, a presença de complexo materno e/ou paterno, a repressão do princípio feminino e o conseqüente desequilíbrio psíquico são fatores associados ao ciúme patológico masculino. Este afeto é encontrado com mais freqüência na paranóia. Considera-se a hipótese de que a cultura e os valores patriarcais, se unilaterais, intensificam o ciúme patológico, pois o que se mostra exagerado no ciumento patológico é a necessidade de dominar e controlar quem ele acredita possuir

ASSUNTO(S)

patriarchy patriarchal culture patriarcado psicologia junguiana psicologia analítica violence against women psicologia cultura patriarcal jealousy violencia contra as mulheres analytical psychology ciume

Documentos Relacionados

Como fazer TCC? Nas últimas semanas tenho visto milhares de alunos com dificuldades, sem saber o que fazer, que simplesmente ficam parados na frente do computador e não conseguem escrever uma única palavra sequer. Neste texto, nós vamos ver como mudar essa situação de uma vez por todas! Alguns alunos me mandam e-mails perguntando Como Fazer TCC passo a passo. Bom, em primeiro lugar, essa é uma dificuldade muito comum, vivida por 99,9% dos alunos de faculdades no Brasil e no mundo! Os outros 0,01% Ler artigo

Uma Monografia Pronta em 5 Passos? Veja como isso é possível AGORA! Seu TCC é uma Monografia?… hum… como é que eu vou te dizer isso… o gato subiu no telhado… Tô Brincando! Mas eu tenho uma boa e uma má notícia para te dar. Qual você quer primeiro?… bom, não vai dar para esperar você responder, então, vou começar pela ruim mesmo: a monografia é o modelo de TCC que mais tem volume de conteúdo, principalmente se a gente comparar com um artigo científico, por exemplo. Ler artigo

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo