AVALIAÇÃO DA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ESPÉCIES UTILIZADAS NA ESTABILIZAÇÃO DE OBRAS DE TERRA COM TÉCNICAS DE ENGENHARIA NATURAL

AUTOR(ES)
FONTE

Ciênc. Florest.

DATA DE PUBLICAÇÃO

2018-03

RESUMO

RESUMO As técnicas de Engenharia Natural correspondem a um conjunto de ações que utilizam materiais de construção vivos, como plantas e estacas vivas, bem como materiais inertes, como elementos estruturais em construções bastante simples, com vistas à recuperação ecológica e à estabilização dos solos. Os materiais inertes utilizados, na dependência dos objetivos e da disponibilidade local, são basicamente estruturas metálicas, geotêxteis, madeira, pedras ou mesmo concreto. Esses, além de conferirem estabilidade imediata ao solo, oferecem proteção e suporte ao posterior desenvolvimento da vegetação. A parte vegetativa complementa, ou mesmo, gradativa e integralmente, substitui as funções estabilizadoras dos componentes inertes. No entanto, a execução dos trabalhos só pode ser realizada com sucesso quando as características técnicas da vegetação são conhecidas e, assim, corretamente aproveitadas. Esta pesquisa é o resultado de uma sequência de experimentos realizados com o objetivo de identificar, entre espécies de habitat ripário, aquelas com capacidade de propagação e desenvolvimento vegetativo. Uma grande parte dos modelos de intervenção utilizados pela Engenharia Natural vale-se exclusivamente dessa forma de propagação. Entre os muitos fatores potencialmente influentes no desenvolvimento vegetativo tais como sobrevivência, ritmo de enraizamento e de brotação, velocidade de crescimento de raízes e brotos deve-se também ressaltar a importância da época de coleta e plantio do material vegetal. Este estudo, utilizando-se de canteiros experimentais construídos em épocas distintas do ano, busca obter essas informações por meio da avaliação da sobrevivência e do desenvolvimento da parte aérea e radicular de estacas de seis espécies potenciais facilmente encontradas ao longo das margens fluviais dos rios do Sul do Brasil. As espécies testadas são: Calliandra brevipes, Phyllanthus sellowianus, Pouteria salicifolia, Salix humboldtiana, Salix x rubens e Sebastiania schottiana. Os resultados experimentais indicam a possibilidade de utilização de algumas dessas espécies. Calliandra brevipes, Sebastiania schottiana e Pouteria salicifolia apresentaram desenvolvimento inferior ao Phyllanthus sellowianus, Salix humboldtiana e Salix x rubens. Evidenciou-se que a época de plantio é menos importante em espécies de enraizamento rápido, como Phyllanthus sellowianus, Salix humboldtiana e Salix x rubens, mas pode ser decisiva em espécies com enraizamento mais lento, como Sebastiania schottiana, influenciando inclusive a sobrevivência da espécie.

ASSUNTO(S)

engenharia natural bioengenharia de solos restauração ecológica manejo de cursos de água

Documentos Relacionados

Que tal aprender, de uma vez por todas, como fazer uma Justificativa de TCC, aplicando a poderosa técnica do Roteiro de Consequências? É impressionante! O quê? A técnica do Roteiro de Consequências? Sim. Ela também. E você vai conhecer essa técnica no vídeo deste artigo e vai ver Como Fazer a Justificativa do TCC com base em 2 exemplos simples e práticos. Para você, finalmente, deixar a sua Justificativa de TCC pronta! Mas, primeiro, eu preciso dizer: É impressionante! Como a Justificativa é um ponto Ler artigo

Finalmente… a Conclusão do TCC em 3 Passos Simples! Se você disser que eu falei isso, eu nego, mas, para mim, a Conclusão do TCC deveria ter outro nome. Algo como: A Doce Arte de Encher Linguiça! Seus professores e orientadores podem até tentar te convencer do contrário. Podem usar inúmeros argumentos para te convencer de que a conclusão do TCC é um elemento fundamental, e, dependendo da retórica do seu professor, você até pode comprar essa bobagem como verdade. Mas se você conhece o Ler artigo

Se você quer aprender Como Fazer Citações para o TCC de forma fácil e não ser acusado de plágio, então, recomendo fortemente que leia esse artigo até o final… E não se esqueça de assistir o vídeo logo abaixo! Imagina só… você fez todo o seu TCC, está aliviado, radiante, tirou um peso das costas… aí, PAH! Seu orientador diz que o seu trabalho tem Plágio e, por isso, vai ser reprovado. Não!!!! Aí vai uma notícia que talvez você não saiba, SE VOCÊ FEZ Ler artigo

Você sabe o que escrever na introdução do seu TCC? Você já parou na frente do seu computador sem ter a menor ideia sobre a introdução do seu TCC, o que escrever e por onde começar? Eu já passei por isso. E como eu não desejo essa situação para ninguém, é hora de resolver esse problema. Muita gente, mas muita gente mesmo me pergunta: “Amilton, o que eu devo escrever na Introdução do meu TCC?” Aí vai a resposta: A Introdução do seu TCC é Ler artigo

Como fazer um TCC passo a passo – plágio e softwares de TCC? O que isso tem a ver com seu TCC? TUDO! Ou você não se importa em ouvir do seu orientador: “Seu trabalho tem plágio! Zero!” É… eu sei que você se importa. O problema é que muitos alunos morrem de medo do plágio, mas não sabem exatamente quando ele acontece. Definir o plágio é muito simples. Plágio é Roubar a Ideia do Outro. Simples assim. Quando você usa uma ideia, texto ou Ler artigo