Ordem de não reanimar pacientes em fase terminal sob a perspectiva de médicos

Autor Principal: Putzel, Elzio LuizHilleshein, Klisman DrescherBonamigo, Elcio Luiz
Tipo:
Idioma: enespt
Publicado em: Revista Bioética
Link Texto Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&lang=pt&pid=S1983-80422016000300596
Saved in:
Resumo Ordem de não reanimar consiste na manifestação expressa da recusa de reanimação cardiopulmonar por paciente com doença avançada em progressão.

Objetivou-se descrever a atitude dos médicos em relação à ordem de não reanimar e à necessidade de sua normatização.

Foi aplicado questionário a 80 médicos inscritos na delegacia do Conselho Regional de Medicina de Joaçaba/SC, Brasil.

Verificou-se que 90% dos participantes conheciam o significado dessa ordem, 86,2% concordavam em acatá-la, 91,2% consideravam importante seu registro em prontuário e 92,5% consideravam oportuna a emissão de normatização a respeito.

Concluiu-se que a maioria dos médicos tinha conhecimento sobre Ordem de Não Reanimar, concordava em respeitá-la, valorizava seu registro em prontuário e desejava a normatização por parte dos órgãos competentes.