ENTRE AS EXIGÊNCIAS PASTORAIS E A PRESERVAÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL: A SANTA SÉ E A EMIGRAÇÃO ITALIANA PARA O EXTERIOR, ENTRE O OITOCENTOS E NOVECENTOS

Autor Principal: Sani, Roberto
Tipo:
Idioma: itpt
Publicado em: Hist. Educ.História da Educação
Link Texto Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&lang=pt&pid=S2236-34592017000100143
Saved in:
Resumo Reunindo uma diversidade de fontes arquivísticas e imprensa aprofunda-se o papel exercido pela Santa Sé com relação à assistência e cúrias pastoriais da emigração italiana no exterior, no período que vai da segunda metade do século 19 até o fim do Concílio Ecumênico Vaticano II e a época pós-conciliar.

O texto documenta como, até os anos 1880, as intervenções promovidas pela Igreja italiana para a tutela dos emigrantes foram limitadas e revestidas, no conjunto, por um caráter episódico e marginal.

A situação mudou sensivelmente no curso dos pontificados de Leão XIII e Pio X.

Este último, em particular, se empenhou tanto na intensificação de iniciativas de obras de assistência e na centralização das políticas para apoio às curias pastorais dos migrantes, quanto no recrutamento e formação cultural e espiritual do clero destinado a animar a vida religiosa das comunidades de emigrantes italianos no exterior.

O empenho a favor dos refugiados e dos prisioneiros de guerra exercido pela Santa Sé, nos anos da Segunda Guerra Mundial, contribuiu para amadurecer, no interior da Igreja, uma sensibilidade maior e mudar, progressivamente, a atenção do problema da emigração italiana para aquele, mais complexo e de alcance universal, de todos que, não apenas por motivos econômicos, mas também por causas ligadas aos conflitos armados, às catástrofes naturais e perseguições, foram, e são ainda hoje, forçadas a abandonar os lugares de origem e a viverem distantes do próprio país: perseguidos, prisioneiros de guerra, refugiados, entre outros.