Dislipidemia pós-prandial como achado precoce em indivíduos com baixo risco cardiovascular

Autor Principal: Lima,Josivan G.
Outros Autores: Nóbrega,Lucia H.C., Nóbrega,Maria Lúcia C., Bandeira,Francisco, Sousa,André G.P.
Tipo: Artigo
Idioma: Português
Publicado em: Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia 20020601
Assuntos:
Link Texto Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302002000300006
Saved in:
OBJETIVO: correlacionar a hipertrigliceridemia pós-prandial com conhecidos fatores de risco para aterosclerose.

MATERIAL E MÉTODOS: Foram estudados 47 pacientes não diabéticos (30 mulheres e 17 homens, idade: 40,5 ± 14,9 anos, IMC: 26,1 ± 5,4kg/m²) com trigliceridemia de jejum normal (<200mg/dl).

Triglicerídeos, HDL e colesterol total foram medidos nos tempos 0, 3 e 5 horas após ingestão de aproximadamente 70g de gordura (200g de creme de leite a 25% e 2 gemas), sendo então avaliados vários parâmetros.

RESULTADOS: Pacientes com pico de triglicerídeos de 3 horas maior que o 2º quartil (164,8mg/dl), apesar de triglicerídeos de jejum normais, apresentaram maior IMC (28,1 ± 5,6 vs.

24,2 ± 4,5kg/m²; p= 0,008), maior circunferência abdominal (95,7 vs.

84,1cm; p= 0,001), maior relação cintura/qudril (0,92 vs.

0,86; p= 0,008), maior pressão diastólica (83,1 vs.

77,2mmHg; p= 0,02) e menor HDL (39,1 vs.

48,3mg/dl; p= 0,008).

CONCLUSÕES: A hipertrigliceridemia pós-prandial se correlaciona com vários fatores de risco cardiovascular mesmo em pacientes normotrigliceridêmicos.

Documentos Relacionados