Bactérias promotoras de crescimento associadas a adubação nitrogenada de cobertura no desempenho agronômico de milho pipoca

Autor Principal: Spolaor, Leandro TeodoskiGonçalves, Leandro Simões AzeredoSantos, Odair José Andrade Pais dosOliveira, André Luiz Martinez deScapim, Carlos AlbertoBertagna, Filipe Augusto BengosiKuki, Mauricio Carlos
Tipo:
Idioma: enpt
Publicado em: BragantiaBragantia
Assuntos:
Link Texto Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&lang=pt&pid=S0006-87052016000100033
Saved in:
RESUMO A utilização de bactérias promotoras de crescimento vegetal é uma alternativa promissora e de baixo impacto ambiental para aumentar a eficiência de uso de fertilizantes químicos, garantindo elevadas produtividades com melhor relação custo-benefício.

Na cultura do milho, diversos trabalhos vêm demonstrando o aumento de rendimento de grãos quando inoculados com Azospirillum spp.

No caso do milho pipoca, trabalhos relacionados ao uso da inoculação sobre a produtividade da cultura são inexistentes.

Dessa forma, o objetivo do trabalho foi avaliar o efeito da inoculação do produto comercial Masterfix L.

(A.

brasilense Ab-V5 e A.

brasilense Ab-V6) e da formulação experimental UEL (A.

brasilense Ab-V5 e Rhizobium sp.

53GRM1), associada à adubação nitrogenada, sobre o desempenho agronômico de milho pipoca.

Os experimentos foram conduzidos em Londrina e Maringá (PR), sob o delineamento de blocos casualizados, com quatro repetições, em esquema de parcela subdividida, sendo locados nas parcelas os inoculantes (sem inoculante, Masterfix L e UEL) e, nas subparcelas, doses de N em cobertura no estádio V6, utilizando-se o sulfato de amônio (0, 50, 100 e 150 kg∙ha–1).

Pela análise de variância, houve efeitos significativos (p < 0,05) da inoculação (ambiente Londrina) e doses de N (ambos os ambientes) apenas para rendimento de grãos.

Não foram observados efeitos da inoculação na produtividade do milho quando realizados conjuntamente com as adubações de cobertura.

Na ausência da adubação de cobertura, os inoculantes Masterfix L.

e UEL foram superiories ao não inoculado, com incrementos médios na produtividade de 13,21 e 26,61%, respectivamente.

Documentos Relacionados