Saved in:
Introdução: Este estudo, descritivo, de corte transversal, teve por objetivo avaliar os conhecimentos sobre sexo e sexualidade, na população de alunos de ambos os gêneros, com idade entre10 e 15 anos de idade, nas cinco escolas públicas de Pitangui-MG, em 2006.

Métodos: Como instrumento de pesquisa para coleta de informações, utilizou-se um questionário contendo 23 questões baseadas nos conteúdos curriculares do MEC (PCNs), SEE-MG e manuais de ensino neles baseados.

Quatro questões procuravam avaliar a origem dos conhecimentos sobre sexo e sexualidade: Quem? Onde? Quantas vezes no ano? Quais assuntos foram mais discutidos no ambiente escolar? Foram coletados dados referentes ao nome da escola, idade o aluno em anos e meses, série em curso, gênero e turno.

Em todas as questões havia a opção "Não sei", para ser marcada se o adolescente desconhecesse o tema.

Foram providenciadas medidas para que não houvesse comunicação entre os alunos, para que houvesse tempo suficiente para as respostas, professores treinados em aplicação de testes, conferência de questionários entregues e devolvidos (faltosos) pelo pesquisador.

Resultados: De um total válido de 1421 adolescentes (86,4%), participaram da pesquisa 524 alunos (31,9%), sendo que 863 (52,5%) não consentiram em responder e 34 alunos (2,1%) não compareceram.

58,2% eram do gênero feminino e 41,8% do gênero masculino.

Em relação às respostas válidas houve 39,6% de erros, 43,3% de acertos e 17,1% de desconhecimentos.

Os adolescentes das idades e séries mais avançadas e do gênero feminino mostraram maior percentual de acertos nas questões.

Quanto à anatomia dos aparelhos reprodutores a resposta mais errada foi o local anatômico da ocorrência da fecundação (79,1%); o nome da célula reprodutora masculina a mais acertada (83,3%) e a que mais desconhecem é o local anatômico da produção dos espermatozóides (16,7%).

Em fisiologia 63,7% acertaram a primeira transformação feminina na puberdade, 38% erraram a relação entre gravidez/ ciclo menstrual e 60,8% desconhecem a definição de menarca.

Nos conhecimentos de sexualidade 73,8% acertaram a definição de sexualidade responsável, 71,7% erraram a concepção de relação sexual e 23,1% desconhecem a definição de masturbação.

A mãe e a televisão são as duas principais fontes de conhecimentos sobre sexo e sexualidade; a escola ensina em média duas vezes por ano; sendo os aparelhos reprodutores o assunto melhor explicado na escola sobre sexo e sexualidade.

Conclusão: Pode-se concluir que o gênero feminino apareceu em maior porcentagem.

Houve maior percentual de acerto nas questões de anatomia, fisiologia e sexualidade em alunos das séries mais avançadas (7ª e 8ª séries), e em relação ao gênero existe um maior percentual de erros e desconhecimento entre o gênero masculino e aproximadamente o mesmo percentual de erros.

Adolescentes de 5ª a 8ª séries das escolas públicas de Pitangui-MG demonstram erros e desconhecimentos sobre sexo e sexualidade, e a alta falta de consentimento tende a comprovar os dados estatísticos.