Análise comparativa das lesões diagnosticadas e de sua gravidade entre vítimas de atropelamento e outros mecanismos de trauma fechado

Autor Principal: PARREIRA, JOSÉ GUSTAVOMARTINS, RAFAEL KRIEGERSLONGO, JULIOPERLINGEIRO, JACQUELINE A. GIANNINISOLDÁ, SILVIA CRISTINEASSEF, JOSÉ CESAR
Tipo:
Idioma: enpt
Publicado em: Rev. Col. Bras. Cir.Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões
Assuntos:
Link Texto Completo: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&lang=pt&pid=S0100-69912015000500253
Saved in:
RESUMOObjetivo:comparar, entre vítimas de atropelamento e de outros mecanismos de trauma fechado, a frequência e gravidade das lesões identificadas.Métodos:análise retrospectiva das informações do registro de trauma, incluindo as vítimas de trauma fechado, com idade superior a 13 anos de idade, admitidas entre 2008-2010.

Avaliamos o mecanismo de trauma, dados vitais à admissão e lesões diagnosticadas.

A estratificação de gravidade da amostra foi realizada pelos índices RTS, AIS-90, ISS e TRISS.

As vítimas de trauma fechado foram separadas em dois grupos: Grupo A- pedestres vítimas de atropelamento; Grupo B- vítimas dos demais mecanismos de trauma fechado.

As variáveis foram comparadas entre os dois grupos.Resultados:foram incluídos no estudo 5785 casos, sendo que, 1217 (21,0%) foram vítimas de atropelamento.

Observamos que os traumatizados do grupo A apresentaram, significativamente (p<0,05), maior média etária, de frequência cardíaca à admissão, de ISS, de AIS no segmento cefálico, torácico, abdominal e em extremidades, bem como, menor média de escala de coma de Glasgow, pressão arterial sistólica a admissão, RTS e TRISS.

As vítimas de atropelamento também apresentaram (p<0,05), maior frequência de hematomas extradurais, hematomas subdurais agudos, hemorragia subaracnoidea, Brain Swelling, contusão cerebral, lesão axonal difusa, fraturas de arcos costais, pneumotórax, tórax flácido, contusão pulmonar, bem como, fraturas de pelve, de membros superiores, inferiores e expostas de membros inferiores.Conclusão:as vítimas de atropelamento apresentam maior frequência e gravidade de lesões intracranianas, torácicas, abdominais e em extremidades quando comparadas às vítimas de outros mecanismos de trauma fechado em conjunto.